Mãe é condenada a 59 anos de prisão, e pai a 67 por matar filha e o enteado no Piauí


O juiz Mario Soares de Alencar, da Comarca de Canto do Buriti, condenou a 67 anos de prisão Danilo Veras dos Santos, pela morte do enteado Kaio Costa de Sousa, 11 anos, e da filha, Maria Vitória Veras dos Santos, 5 meses, crime ocorrido outubro de 2018 em Brejo do Piauí. Também foi condenada a 59 anos de cadeia a mãe das duas crianças, Joelma Pinto da Costa, por omissão. A decisão foi dada no último dia 11 de junho.

Danilo Veras, foi condenado a 67 anos e 11 de cadeia. Segundo a denúncia do Ministério Público do Piauí, o réu matou seu enteado, Kaio Costa de Sousa, e além disso, as investigações da Polícia Civil apontam que ele estuprou e matou a própria filha, Maria Vitória. O crime foi presenciado pelo meio-irmão da bebê de 5 meses.

A denúncia do Ministério Público aponta ainda que Kaio Costa foi assassinado justamente por ter presenciado o estupro. A causa da morte do menino foi asfixia por estrangulamento, o que impossibilitou a defesa da vítima.

Já a mãe de ambas as vítimas, Joelma Pinto da Costa, foi condenada a 59 anos e 2 meses de reclusão. Nos autos, foi destacado que as condições do crime não favorecem a ré, pelo fato de não ter agido contra seu marido pelo estupro e morte de seus filhos.

“O motivo da omissão da casada, que concorreu para o crime, não restou esclarecido. As circunstâncias do crime prejudicam a ré, por não ter agido para impedir delito extremamente violento em face de seu filho, no interior da residência em que dormiam. As consequências do crime foram muito graves, mormente pelo fato de o crime ter sido cometido de forma a gerar elevado sofrimento à criança, de apenas 11 anos de idade”, consta na denúncia.
Foto: Divulgação
Joelma Pinto da Costa

Relembre o caso


Danilo foi preso no dia 13 de outubro de 2018 acusado de matar o enteado de 11 anos e a filha de apenas 5 meses. As investigações da polícia apontaram que Danilo estuprou a filha e que o menino teria presenciado, razão pela qual o acusado matou a criança por asfixia por estrangulamento.

Depois de matar Kaio, o acusado agrediu a filha que foi internada em estado grave, com múltiplas fraturas, na UTI pediátrica do Hospital Regional Tibério Nunes, em Floriano. No entanto, a bebê não resistiu e faleceu no dia 15 de outubro de 2018.

Já Joelma foi presa, no dia 8 de janeiro de 2019, durante audiência no Fórum de Canto do Buriti. O pedido de prisão foi feito pelo promotor de Justiça José William Pereira Luz, que alegou omissão por parte da mãe e o juiz José Carlos Amorim deferiu o pedido.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.